Amor, anda para a cama…

É para ti que agora escrevo… Amor, anda para a cama... O dia acordou cinzento e tu dormias ao meu lado, com essa expressão doce que me traz apaixonado. A chuva caía lá fora e até o vento se fazia ouvir. Levantei-me com mil cuidados para não te acordar. Tomei duche e sentei-me à mesa... Continue Reading →

Fomos loucos, sim… felizes como poucos

Loucos. Sim. Fomos loucos… felizes como poucos. O sol brilhou incessantemente. A chuva só surgiu para nos encerrar nas paredes do mesmo quarto, para que até as paredes invejassem a intensidade da nossa entrega. Sim, entregámos tudo. Coração, corpo, alma… tudo. Cada sorriso teu era motivo de felicidade. Cada olhar teu, mesclado de meiguice e... Continue Reading →

É mais fácil começar pelo fim…

Fim. Não sei bem por onde começar. É mais fácil começar pelo fim. Hoje, até o vento surgiu entre as árvores deste jardim, para dar balanço à caneta. Sim, o vento sabe que não sou capaz... sozinho. E, por qualquer razão que desconheço, parece saber que é o melhor para mim… e para ti. Já... Continue Reading →

Com os ciúmes que não podemos ter…

Não sei se faz sentido. Não, provavelmente não faz. Não importa. Afinal, só precisa de encontrar sentido quem está perdido. E nós não estamos perdidos. Já nos encontrámos e é isso que nos assusta. Não sou teu. Não és minha. Somos livres. E, ainda assim, optamos entregar diariamente essa liberdade um ao outro. Talvez por... Continue Reading →

Da pequena praia para a tua cama…

Cheguei cedo, nesse dia. O sol brilhava e a pequena praia estava repleta. Estendi a minha toalha, deitei-me e, entre tanta gente, reparei em ti. Estavas com duas amigas mas só consegui olhar o teu corpo. E a pequena tatuagem que tinhas nas costas. E se já pensava em mil maneiras de te ter, não... Continue Reading →

Mesmo que não estejas comigo

A noite caiu. Acabou. Começou? É indiferente. Sentado na esplanada, com a praia como cenário de fundo, sinto que é tempo de te escrever. É tempo, enfim, de confessar que estou contigo. E é tão desconcertante pensar que não estou. Não sei. Não sabes. Somos loucos. Sabes que gosto de ser louco. Também sabes que... Continue Reading →

Create a website or blog at WordPress.com

EM CIMA ↑